Oi?

Enfim,
nu,
como vim.

Paulo Leminski

14 abril 2007

Com dois reais eu compro uma casquinha no McDonald´s e posso usar o computador. Vou sempre às três da tarde, que é quando tem pouca gente, quem foi pra almoçar já almoçou, o pessoal que trabalha lá está comendo os sanduíches velhos sob a vista grossa do gerente - que come os sanduíches mais novos entre os velhos - e a menina de sempre tá passando aquela vassoura de pano no chão. Então eu compro a casquinha e tenho o direito de usar o computador por mais tempo dos que os dez minutos regulamentares.
Vou direto olhar o orkut. A garotada de Brasília tá felizona. Nas fotos em seus perfis, são todos felizes mesmo quando fingem uma tristeza. Ninguém que tem todos os dentes sabe o que é tristeza. Isso eu aprendi com o Rubem Fonseca. A garotada tem todos os dentes e, além disso, os dentes são simétricos, depois de doze anos de aparelho pra deixar os grãos de esmalte brancos como pérola e retos. Tão felizes, saudáveis, amam Los Hermanos, tênis all star, Chico Buarque.
Eu passo horas catalogando essa galera. Tenho um banco de dados gigantesco na minha mente. Eu devia trabalhar pra Polícia Federal. A garotada de Brasília faz concurso. Faz faculdade, depois cinco anos de cursinho, depois passa num concurso e enche o rabo de cocaína com o salário de burocratinha público. E bota letra dos Los Hermanos embaixo das fotos em preto-e-branco com o cachorro.
São todos felizes demais, bonitos demais, brancos demais. Os meninos eu acho que dão o cu. Nenhum homem que não dá o cu vai pra academia tornear o bumbum. As meninas eu acho que não dão. Se dessem, dariam menos importância à promoção de um alterego inteligente e sensível que divulgam no seu orkut.
Quando alguém percebe, já estou no computador há uma hora. Me mandam sair, eu saio. Vou pra outro McDonald´s e busco os funcionários da lanchonete anterior no orkut. Encontro um por um e percebo que eles, também, são lixo. Um lixo que fede menos, é bem verdade, mas ainda lixo. Talvez conheçam a tristeza - alguns deles já perderam dentes, já perderam parentes, já perderam empregos - mas infelizmente não ficaram mais nobres por isso.
Eu devia trabalhar pra Polícia Federal.
Ia foder com todo mundo.

4 comentários:

Vitor Camargo disse...

Vc não pode trabalhar na Polícia Federal... Vc odeia o povo...

Ju disse...

fantástico Dan!!!!!!!

Anônimo disse...

viiixe doido. Esculachoô!!haha

Srta. Clichê! disse...

Polícia que é polícia gosta mesmo é de cocaína... E da pura, porque misturada só é boa pra lucro!!!